Sítio São Sebastião: sua atividade leiteira e o manejo de bem-estar

Quinta-feira, 21 de outubro de 2021

Compartilhe

Por: Alfapress

A preocupação pelo bem-estar animal e sua saúde está cada dia mais presente nos campos produtivos. No Sítio São Sebastião, que se localiza  em Castro, no Paraná, e possui atividade leiteira, o tema não vem só de hoje: há muito tempo, a família que gerencia a pecuária e sua equipe pensam sobre como promover melhores condições para todos os animais da fazenda.

“Meus pais iniciaram com duas a três vacas e, pouco a pouco, foram crescendo o negócio. No início, o leite era tirado na mão e hoje já temos uma sala de ordenha. Eu e meus irmãos sempre estivemos próximos, ajudando e vendo a evolução do Sítio que hoje tocamos juntos”, conta Mariele Stockler

Diversas iniciativas da propriedade estão sendo em prol do maior conforto aos animais. Vagões de alimentação, freestall para os animais em lactação onde há ventiladores, aspersão de água e camas de boa qualidade. “A propriedade tem cerca de 36 hectares e, quando há chuvas, o terreno fica bastante instável. Quando a visitamos juntamente com a nossa parceira VetFarma, distribuidor comercial da Nutricorp no Paraná, a principal estratégia futura era um preparo de 100% de confinamento dos animais”, conta Nathaly Ana Carpinelli, Coordenadora Técnica da Nutricorp. Segundo Nathaly, também foi percebida a preocupação da família com práticas de bem-estar animal, principalmente com as bezerras no momento da descorna e, vacas em lactação, momentos muito estressantes, principalmente por conta do manejo, calor e baixo consumo de alimento”.

O processo de descorna das bezerras é um momento que pode gerar inflamação, provocando dor e redução na alimentação. Já nas vacas durante a ordenha, era notada agitação excessiva, o que chegou a ocasionar derrubada de máquinas e coices. Mariele conta que com a adesão da prática de manejo através da aplicação de SecureCattle, substância análoga à bovina, não houve redução na alimentação das bezerras e as ordenhas se tornaram um momento mais tranquilo.

“No início fiquei em dúvida se realmente iria funcionar, mas pra minha felicidade os resultados foram excelentes, tanto que continuamos utilizando em bezerras e vacas de lactação. O custo-benefício é muito interessante, pois é um investimento que mesmo após a descorna notamos uma redução da percepção de estresse das bezerras, que logo continuaram se alimentando, não nos preocupando mais com custos adicionais em função de debilidades ou doenças. É um investimento que vale a pena pelo bem-estar”, afirma a proprietária.

No Sítio São Sebastião, já estão sendo realizados os primeiros testes do uso da substância análoga à bovina, em animais que vão entrar no período seco também, pois neste período há uma quebra da rotina com a mudança de alimentação, lugar, rotina e Mariele espera por bons resultados em breve.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *