Primeiro dia de Conexão Agroleite relembra início do evento, tradição das famílias leiteiras e presença das mulheres nas propriedades

Quinta-feira, 12 de agosto de 2021

Compartilhe

A websérie Conexão Agroleite começou nessa terça-feira (10), no canal da Castrolanda no Youtube, e trouxe depoimentos com uma retrospectiva do evento. Apresentado por José Luiz Tejon, o programa mostra reportagens sobre temas relacionados à cadeia leiteira e terá mais dois episódios nesta quarta e quinta-feira. 

Nas palavras de Frans Borg, presidente da Castrolanda entre 1996 a 2020, o Agroleite foi criado para estruturar a cadeia do leite. “Enxergávamos que uma feira seria muito importante para que a gente pudesse se comunicar de uma forma inteligente com os outros elos da cadeia. Acredito que fomos felizes em envolver todos eles em um só evento”.

Para os participantes, o evento contribui no conhecimento de novas tecnologias e na troca de experiência entre produtores, como destaca o cooperado Theo Gorenwold. “O Agroleite representa tudo para o produtor de leite: as novas técnicas, vitrines de novos equipamentos. Todos os anos conhecemos procedimentos mais recentes e vamos aplicando aqui: ordenha, nutrição, manejo”.

A história da Capital Nacional do Leite envolveu famílias holandesas e brasileiras e foi passada de geração em geração. Os Wolters vieram da Holanda e enfrentaram dificuldades, mas se adaptaram e são uma das famílias leiteiras mais tracionais da região. “No início, foi muito difícil para a minha família, porque era um país diferente, uma cultura diferente, um clima diferente. Então eles precisaram se adaptar e, aos poucos, estruturar a região também. É importante estar com a família envolvida desde sempre para realmente pegar gosto e saber da importância da produção de leite e de como isso tudo foi construído”, relembra o cooperado Ronald Wolters.

Uma das atrações da feira e que também foi retratada em uma reportagem no primeiro dia de Conexão Agroleite é a exposição de animais, que exige cuidados específicos com as vacas que participam. “Fechamos os animais em baias individuais, a alimentação é mais específica para chegar no score desejado para competir em pista, são necessários banhos diários e tem a parte de domesticação para andar no cabresto e exibir no dia. Então é um trabalho que começa bem antes da feira”, conta o cooperado Reinaldo de Boer.

A presença das mulheres no agronegócio e, principalmente, na gestão das propriedades de leite, também foi debatida. A partir das ações da Comissão Mulher Cooperativista, a Castrolanda incentiva que mais mulheres participem dos negócios do campo, conforme explica a cooperada Maria Benke. “A cooperativa une os produtores e, se as mulheres também se unirem, a força é dobrada. Se temos alguma dificuldade, uma ajuda a outra”.

Além das reportagens, duas rodas de conversa marcaram o primeiro dia do programa. O Diretor Presidente da Castrolanda, Seung Lee, falou sobre planejamento, importância da verticalização da cadeia e previsão para o futuro dos negócios. Na parte final, o Vice-presidente da Cooperativa, Armando Carvalho, e a cooperada e membro da Comissão Mulher Cooperativista, Amanda Gomes, destacaram as tecnologias para a produção de leite, as boas práticas na propriedade e os grandes resultados que a intercooperação pode trazer.

Para conferir as reportagens completas do primeiro dia de Conexão Agroleite, basta acessar o canal da Castrolanda e do Agroleite no Youtube. A websérie continua nesta quarta-feira (11), às 19h, com mais conteúdo sobre a cadeia leiteira e um dos maiores eventos de tecnologia e produção de leite da América Latina.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *