Controle Microbiológico do Ar na Indústria de Alimentos

Sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Compartilhe

Empresa que atua no ramo de controle microbiológico em indústrias de alimentos, alerta para a importância do Controle Microbiológico do Ar.

Por Eduardo Pessôa – Diretor Técnico da HIGEX

 

A indústria de alimentos vem conquistando uma importância cada vez maior no Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil. Segundo a ABIA (Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação), a Indústria da Alimentação (Produtos Alimentares e Bebidas) passou de um faturamento (líquido de impostos indiretos) de 330,6 bilhões de reais com participação no PIB de 8,5% em 2010, para 614,3 bilhões de reais em 2016 com participação no PIB de 10,1%.

Tal crescimento se deve, além de uma série de melhorias na indústria de alimentos, ao controle microbiológico cada vez mais rigoroso e criterioso que credencia substancialmente a confiança do consumidor e a segurança alimentar dos produtos produzidos pelas indústrias de alimentos.

Para um controle microbiológico eficiente na fabricação de alimentos, a indústria deve estar atenta para o controle a níveis seguros dos microorganismos deteriorantes e causadores de enfermidades com origem nos alimentos e bebidas. Os microorganismos se reproduzem facilmente sobre os alimento e são os causadores de uma grande porcentagem de enfermidades no ser humano. A contaminação microbiológica dos alimentos pode ocorrer de várias formas:

– Matérias primas e ingredientes;

– Água;

– Contaminação cruzada direta: alimentos contaminados;

– Contaminação cruzada indireta: manipuladores e equipamentos;

– Ambiente: ar e pó em suspensão;

Segundo Andrade (2008), na indústria, o ar pode entrar em contato com produtos alimentícios durante as diversas etapas de manipulação, armazenagem, processamento e embalagem. Deve-se atentar a possibilidade da contaminação dos produtos alimentícios com microorganismos patogênicos e alteradores provenientes do ar, comprometendo a segurança alimentar, além disso, a vida- de- prateleira e a qualidade do alimento também podem ser afetadas.

De acordo com o Manual de Manipuladores de Alimentos para Indústrias, TROTTA CONSULTING (2009), o ar e o pó suspenso constituem uma via de contaminação dos alimentos. O ar e o pó podem chegar a conter uma quantidade significativa de bactérias, mofos e esporos, que podem depositar-se sobre os alimentos durante o processo de fabricação. Um grama de pó pode conter mais de 1,5 milhões de microorganismos.

A qualidade do ar de uma indústria de alimentos pode ser determinada de algumas formas, as mais comuns são sedimentação em placas que consiste em deixar exposta uma placa de petri (90 mm de diâmetro), contendo meio de cultura específica ao microorganismo alvo da análise. A outra forma mais comum de analise microbiológica do ar é com uso de equipamentos

amostradores de ar. O uso do equipamento permite o ajuste automático do fluxo de ar aspirado, corrigindo as variações de temperatura e pressão do ambiente. Nessa técnica também é utilizado meio de cultura, seletivo ou não, em placa de petri (90 mm de diâmetro).

Sendo o ar um dos meios de contaminação de alimentos durante o processo produtivo na indústria, há a necessidade do controle microbiológico do ar através de ativos sanitizantes aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). As duas formas de desinfecção mais utilizadas são:

1- Agentes químicos sanitizantes pulverizados no ar, consiste em aplicar uma solução com concentração pré – determinada de um desinfetante através de um bico de aspersão ligado a uma rede de ar comprimido, formando assim uma névoa no ambiente.

2- Uso de fumígeno, onde é avaliado o tamanho, em metro cubico, do ambiente a ser desinfetado e a quantidade em gramas de produto a ser aplicado. O produto mais conhecido no mercado é o Smoke Tech que tem como ativo o Orto-fenilfenol e aprovado pela ANVISA como Desinfetante para Industria Alimentícia e Afins. A vantagem do uso da tecnologia de desinfecção do ar com uso de fumígeno, é que as partículas são muito pequenas. A fumaça alcança locais onde a aspersão de um agente químico não chega. O fumígeno também tem a função de além, de desinfetar o ambiente, agregar as partículas suspensas no ar e sedimenta-las.

Conclui-se assim que, o controle microbiológico do ar na indústria de alimentos é de suma importância na garantia da qualidade e segurança de produtos alimentícios para consumo humano. Assim como há a necessidade da higienização de instalações, equipamentos, superfícies, utensílios e higiene pessoal dos manipuladores, também há de se cuidar do ar ambiente da indústria, pois nele estão contidos milhões de bactérias que podem ser um sério contaminante da indústria de alimentos.

Referências Bibliográficas

Andrade N. J . de , Higiene na indústria de alimentos: avaliação e controle de adesão e formação de biofilmes bacterianos- São Paulo: Varela, 2008.

Trotta Consulting , S.L – Manual de Manipuladores de Alimentos para Indústrias , 5ª Edición, 2005.

ABIA

http: // www.abia .org.br/vsm/anexos/faturamento2016.pdf.acessado em 06 de Agosto de 2017


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *