Frigorífico de suínos da Aurora em Chapecó é duplicado e torna-se o maior do Brasil

Segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Compartilhe

Ministra da Agricultura Tereza Cristina estará presente na inauguração, prevista para dia 15 deste mês de outubro

Mediante investimentos da ordem de R$ 268 milhões que dobraram sua capacidade, o FACH 1 – Frigorífico Aurora Chapecó 1, integrante do conglomerado agroindustrial Cooperativa Central Aurora Alimentos – torna-se a partir deste mês de outubro a maior unidade industrial de processamento de suínos do Brasil: passa a abater 10.000 cabeças por dia, empregando cerca de 5,5 mil trabalhadores e gerando 221 produtos cárneos.

A solenidade de inauguração está programada para iniciar às 14 horas do dia 15 de outubro, no bairro Efapi, em Chapecó, dentro das comemorações do 50º aniversário de fundação da Aurora Alimentos, terceiro grupo brasileiro do setor de proteína animal.

O ato será presidido pelos diretores Mário Lanznaster (presidente), Neivor Canton (vice-presidente), Marcos Antônio Zordan (diretor de agropecuária) e Leomar Luiz Somensi (diretor comercial) e terá a presença da ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Tereza Cristina.

 O FACH 1 é a única indústria brasileira que exporta carne suína in natura para os Estados Unidos. Também está habilitada para importantes mercados, como China, Hong Kong, Japão, Coreia do Sul e Chile, totalizando cerca de 20 países.

A unidade começou a operar em 1992, empregando 432 pessoas para produzir cortes in natura de carnes suínas. Nesses 27 anos recebeu várias ampliações. A mais recente consiste nas obras de duplicação que iniciaram em julho de 2018 e serão inauguradas em outubro próximo.

O total de recursos aplicados no projeto global de ampliação de abates e industrializados na unidade FACH I foi de aproximadamente R$ 268 milhões, sendo 20% de capital próprio e 80% de capital financiado.

O FACH I está organizado nos setores de administração, manutenção, produção, qualidade e logística. Os investimentos atingiram os setores de abate e áreas relacionadas (ampliação do abate, sala de cortes, miúdos, beneficiamento de tripas), industrializados (linguiças frescais, salsichas, mortadelas e bisteca) e áreas de apoio (estacionamento, restaurante, lagoas de tratamento, caldeira, sala de máquinas entre outras). As áreas que concentraram os maiores investimentos foram as linhas de abate e industrializados.

Em face dos investimentos, o número de trabalhadores diretos da unidade sobe dos atuais 3.000 para 5.480 empregados diretos.

O incremento de produção se dará nas linhas de produtos já existentes: cortes congelados, linguiças frescais, salsichas, bisteca e mortadela.

Os principais reflexos se manifestam na duplicação da capacidade industrial instalada. O abate passa de 5.230 suínos/dia para 10.527 cabeças/dia, com incremento de 101,3%. O processamento mensal cresce na mesma proporção, de 109.830 suínos para 221.072 animais.

A operacionalização da capacidade ampliada inicia em outubro e atinge sua plenitude – de 10.527 suínos por dia – no primeiro semestre de 2020. Nesse estágio, o conglomerado Aurora Alimentos estará abatendo 25.000 cabeças por dia.

         A unidade vem incorporando importantes avanços tecnológicos, como o abate humanitário com o uso do gás CO2, a robotização da paletização de industrializados, a automação no processo de embalagem de linguiças frescais e a automação e robotização no cozimento de mortadela.

AMPLIAÇÃO DO FRIGORÍFICO AURORA CHAPECÓ 1 (FACH 1)

Início das obras: julho de 2018.

Conclusão das obras: outubro de 2019.

Investimento total: R$ 268 milhões.

Aumento do abate diário de suínos: de 5.230 para 10.527.

Aumento do abate mensal de suínos: de 109.830 para 221.072.

Percentual de aumento do abate diário/mensal: 101,3%.

Aumento de postos de trabalho: 3.000 para 5.480 trabalhadores.

Incremento da produção: cortes congelados, linguiças frescais, salsichas, bisteca e mortadela.

COOPERATIVA CENTRAL AURORA ALIMENTOS – Informações Globais

Data de fundação: 15 de abril de 1969.

Primeiro presidente: Aury Luiz Bodanese.

Posição nacional: terceiro maior conglomerado industrial do setor de carnes.

Receita operacional bruta anual: R$ 9,1 bilhões.

Número de empregos diretos: 28.149 em 2019; 29.000 em 2020.

Número de cooperativas agropecuárias filiadas: 11.

Base produtiva no campo: 65.531 famílias de produtores rurais.

Processamento industrial: 1.000.000 de aves por dia.

                                           20.000 suínos por dia em 2019; 25.000 em 2020.

                                           1.500.000 litros de leite por dia.

Produtos: mix com mais de 800 itens em produtos a base de carne, leite, massas e vegetais.

Número de unidades industriais: oito plantas frigoríficas de suínos, sete plantas frigoríficas de aves, uma planta de lácteos.

Exportação: mais de 60 países.

Diretoria Executiva:

Mário Lanznaster, presidente.

Neivor Canton, vice-presidente.

Marcos Antônio Zordan, diretor de agropecuária.

Leomar Luiz Somensi, diretor comercial.

DCIM100MEDIADJI_0066.JPG

 

Por:MB Comunicação


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *